DIA NACIONAL DA DOAÇÃO DE ÓRGÃOS – o que trava o processo

Ontem, 27 de setembro, foi comemorado o DIA NACIONAL DA DOAÇÃO DE ÓRGÃOS. Esse é um tema que causa muita polêmica aqui no Brasil. Acredito que seja porque os cidadãos ainda são poucos orientados a respeito. Fala-se muito sobre a doação de sangue, de medula óssea… Mas poderia se falar bem mais sobre a de órgãos.

Já parou pra pensar que a vida de MUITAS, mas MUITAS pessoas seria outra se conseguissem sair da fila de transplantes com um órgão útil a elas e totalmente inútil àquele que já se foi? Acho um gesto lindo alguém se propor a dar de si para salvar uma vida. Órgãos não são doados só após a morte, não. Você vive – e vive bem – com um único rim, por exemplo, enquanto outra pessoa, sem ele, não tem chance alguma.

Andei lendo algumas notícias sobre o assunto hoje. Acreditam que, além de toda a burocracia normalmente envolvida em um transplante de órgãos, um dos maiores entraves É A FAMÍLIA? Às vezes, pelo fato do familiar não ter deixado registrado em vida que tinha vontade de doar seus órgãos, a família barra o processo por não querer ir contra a possível vontade do falecido de manter seu corpo intacto. Pensem nisso! Alguém perde a chance de viver por isso!

Eu sei que é um assunto complicado de se discutir. Muita gente tem crenças e tal, e nem pensa nisso. Mas vale a pena refletir a respeito dos benefícios e da solidariedade. E, se você tem o desejo de salvar vidas, deixe isso registrado. Converse com seus parentes!

O texto que compartilho com vocês fala sobre a burocracia nos transplantes aqui no Brasil, considerado o país com um dos maiores sistemas de transplante de órgãos DO MUNDO!

Da Agência Brasil, 27/09/2012

Apesar de contar com o maior sistema público de transplantes do mundo, “dificuldades burocráticas” comprometem a melhoria dos índices no Brasil, disse o coordenador do Sistema Nacional de Transplantes do Ministério da Saúde, Heder Murari. Segundo ele, a pasta deve apresentar em 2013 um novo sistema de informação dentro da rede de transplantes, capaz de gerenciar uma lista única de receptores de órgãos, utilizando uma plataforma tecnológica mais moderna. A atualização dos dados dos pacientes, por exemplo, poderá ser feita pelo profissional de saúde por meio de um smartphone.

Durante evento para marcar o Dia Nacional da Doação de Órgãos e Tecidos – lembrado nesta quinta-feira (27) – Murari destacou que a legislação brasileira atual exige o laudo de dois neurologistas para atestar casos de morte encefálica (quadro caracterizado pela perda definitiva e irreversível das funções cerebrais e que abre caminho para a doação de órgãos do paciente). De acordo com o coordenador, há uma proposta de autoria do Conselho Federal de Medicina (CFM) para que a exigência, em caso de morte encefálica, passe a ser o laudo de dois médicos com qualificação em terapia intensiva, e não mais em neurologia. “Vamos aproveitar para adequar o decreto à proposta do CFM, que é quem determina o critério de morte encefálica pela lei brasileira e, ao mesmo tempo, modernizar uma série de itens”, explicou.

A previsão é que as alterações sejam encaminhadas à Casa Civil até o fim deste ano. Segundo Murari, o ministério deve anunciar hoje uma portaria que trata da capacitação em transplantes. O texto, segundo ele, vai instituir a atividade de tutoria em transplantes e prevê o repasse de recursos para instituições definidas como tutoras. “Vamos institucionalizar o ensino do processo de doação de órgãos e de transplantes”, disse. “Vai acabar a necessidade de pessoas jurídicas se organizarem para dar cursos em estados menos desenvolvidos”, completou.

Dados do governo federal indicam que alguns estados, como o Rio Grande do Norte, já conseguiram zerar a fila de transplantes. O termo é utilizado quando o tempo médio de espera por um órgão não ultrapassa 30 dias. A expectativa da pasta é que, até 2015, todos os estados brasileiros tenham zerado suas filas.

Outra meta definida pelo governo é contabilizar 15 doadores de órgãos para cada 1 milhão de habitantes – o melhor índice na América Latina. Nos primeiros quatro meses de 2012, o número registrado no país foi 13 doadores para cada 1 milhão de habitantes.

Fonte: http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2012/09/27/brasil-tem-maior-sistema-publico-de-transplantes-do-mundo-mas-burocracia-ainda-atrapalha.htm

Abraços,

Anna Motzko

Anúncios

Comentaí :)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s