ENEM aos 70 – a prova de que nunca é tarde para realizar sonhos

AOS 70 ANOS, BORRACHEIRO FAZ PROVA DO ENEM PELA 3ª VEZ, EM RO

Portal G1, 23/10/2012

No estabelecimento apertado, rodeado de pneus por todos os lados, Marcelino Miranda da Costa ocupa seu tempo com os estudos. Aos 70 anos, o borracheiro concluiu o ensino médio e desde 2009 tenta ingressar em uma universidade para cursar teologia, em Cacoal, RO.

Marcelino, que iniciou os estudos em 2000, há três anos conseguiu o diploma de conclusão do ensino médio. “Eu só estudei até a segunda série quando criança. Pois não tinha condições de continuar. Quando decidi começar a estudar, já morava aqui, e preferi começar desde o comecinho mesmo. Fazer todas as séries”, lembra Costa.

Sobre a idade, ele brinca. “Muitos amigos diziam que eu não conseguiria aprender, ‘que papagaio velho não aprenderia mais a falar’, mas eu provei a eles o contrário”, conta, feliz, o idoso, que concluiu os estudos no Centro Estadual de Educação de Jovens e Adultos (CEEJA) em 2010.

Ao G1, Costa disse que tenta uma vaga para o curso de teologia há três anos. “Esse já é o terceiro Enem que eu faço. Ano passado eu fiz e tinha chances de entrar em uma faculdade particular da cidade, mas o curso de teologia não completou turma. Vou tentar esse ano novamente”, afirma.

De acordo com a filha do casal, a professora de ensino infantil Magna Miranda da Costa, o fato do pai estudar é um progresso. “Nós da família temos orgulho dele. É empenhado, gosta de ler e, se deixar, ele passa 24 horas estudando e se informando”, conta a professora.

Sempre muito esforçado, o histórico escolar de Marcelino o deixa orgulhoso. “A maioria das notas é de 8,5 para cima. Os professores perguntavam como eu conseguia não faltar nenhum dia, e eu respondia a eles com uma pergunta: ‘vou faltar por quê, se eu gosto de estudar’”, lembra o homem.

Fonte: http://g1.globo.com/ro/rondonia/noticia/2012/10/aos-70-anos-borracheiro-realiza-prova-do-enem-pela-terceira-vez-em-ro.html

Aos que prestarão o ENEM na próxima semana e não estão muito esperançosos, fica aí um belo exemplo de persistência e confiança.

Anna Motzko

Anúncios

Planos para ser feliz AGORA.

Acho incrível o modo como as palavras certas chegam aos nossos ouvidos no momento certo. Pois é, nem sempre. Mas hoje foi assim. Na verdade, meus olhos leram o que minha mente precisava. E eu acho que muito mais pessoas além de mim precisam ler esse texto.

Como pode? Ontem mesmo eu estava dizendo que a vida andava monótona e hoje recebi ‘o empurrãozinho’!

Quer saber? Eu vou parar um pouco PRA VIVER!

[espero que gostem!]

De Casal Sem Vergonha

O CAMINHO PRECISA SER TÃO EMPOLGANTE QUANTO A CHEGADA

Todo dia ela também faz tudo sempre igual. Acorda, toma banho, faz café, dá uma checada no Instagram, vai pro metro, pensa em como odeia aquela lotação matinal, chega no trabalho, ouve um pedido do chefe, faz o que ele manda, almoça, começa a contagem regressiva, vai comer uma coxinha na padaria, olha pro relógio, olha pro relógio de novo. Hora de ir embora. Pega o metro de volta, chega em casa, toma um banho, assiste um programa qualquer na TV, come um lanche, programa o despertador pro dia seguinte, vai dormir. Pra repetir tudo de novo no dia seguinte. Se você perguntar a ela o porque dessa rotina diária ela vai te responder como quem responde uma coisa óbvia – porque eu preciso de grana, porque preciso ser consequentemente promovida até chegar numa posição bacana, pra me aposentar como um salário legal, talvez viajar pra alguns lugares, comprar uma TV de plasma, trocar de carro. Essa realidade talvez possa ser um pouco parecida com a sua, ou bem diferente – o que importa é que os mesmos erros acontecem em situações diversas:

Vive-se pensando num destino final. Esquece-se que a trajetória deveria ser tão importante quanto a chegada.

Os sonhos costumam causar esse tipo de confusão nas nossas vidas. Não há nada de errado com eles, pelo contrário, mas acontece é que muitas vezes deixamos de viver o presente pra sonhar com uma realidade futura que nem sabemos se irá acontecer. Você sabe como é. Posso parar de digitar esse texto pra ir pegar uma água na cozinha, tropeçar na escada e morrer ali mesmo. Trágico? Sim. Impossível, com certeza não. Lembra daquela velha máxima que pra morrer basta estar vivo?

De fato, sempre achei a felicidade assustadora demais pra algumas pessoas. Fala-se tanto dela que a constatação da sua existência parece ser algo surreal. É como ser apresentado para a Madonna. Você sabe que ela existe, mas vê-la assim a centímetros de você, se aproximando pra dar um beijinho, chega a ser até assustador. Mesmo que você fosse fã, que cantasse Like a Virgin quando ainda era virgem de verdade, esse encontro não poderia ser natural. Felicidade é assim também. Como podemos presumir que não há realmente algum sentido claro na vida – até porque se houvesse a gente já teria descoberto depois de tantos anos – a gente busca dar um significado pra nossa existência, que muitas vezes é o sonhado “ser feliz”. Então trabalhamos para um dia sermos felizes, malhamos para um dia ficarmos gostosas, estudamos para algum dia termos uma profissão, recolhemos tributos para algum dia nos aposentarmos. No meio de tantos afazeres em busca da felicidade, nos esquecemos do essencial – o hoje, era o amanhã de ontem. Algum dia a gente fez planos para que hoje estivéssemos felizes, mas nem nos demos conta que o futuro chegou já que estamos ocupados demais pensando no futuro de amanhã.

E é então que surge aqueles cliques na vida que nos deixam apavorados: se o presente é a sua única garantia, você pode dizer que está feliz hoje? Se um meteoro se chocasse com a Terra nos próximos minutos você poderia dizer que morreu feliz? Ou estaria apenas existindo enquanto sonhava com um futuro que, lamentavelmente, não chegou? Será que a TV de plasma pendurada na sua sala compensa as horas do seu dia em que passa na frente do computador, fazendo um trabalho para alguém que não gosta, contando os segundos pro relógio chegar nas 18h? Será que o diploma pendurado na parede e a foto com chapéu de formanda na cabeceira da cama dos seus pais compensa a enorme quantidade de horas que passou trancada numa sala ouvindo professores despejarem teorias que não tem nada a ver com você, apenas pra trilhar uma profissão que é bem vista pela sociedade?

Saber onde quer chegar é essencial pra não ser levado por quaisquer ventos. Mas viagem até lá precisa ser aproveitada. Então, tire um pouco o peso da vida das suas costas. Sorria mais por motivos bobos. Gaste mais tempos com os amigos. Ande mais descalço. Cante aquela sua música preferida do Chico em alto som, enquanto as pessoas nos carros ao lado pensem que você é louca. Aliás, seja um pouco mais louca. Pegue um avião pra encontrar aquele amor. Troque o emprego certo por aquele que faz seu coração descompassar, mesmo que todos te digam pra não fazer isso. Mergulhe no mar mesmo que tenha acabado de arrumar o cabelo. Largue a colher e coloque a mão naquela massa grudenta. Converse com as plantas. Peça conselhos pro seu cachorro. Esqueça o guarda-chuva em casa. Vista aquela roupa que só você acha linda e que está totalmente fora de moda. Ria dos seus problemas. Pague uma fortuna por aquela caixa de chocolate com pistaches – coma um por um pensando em como a vida é boa. Deixe de comprar aquele sapato e alimente 5 moradores de rua. Lembre-se de como somos fúteis. Dispense o aperto de mão, tasque logo um abraço. Ligue no dia seguinte e diga que ele tem a boca mais gostosa que você beijou na vida. Se tomar um fora, pelo menos dividiu aquele pensamento com alguém. Saia em menos fotos, vivencie mais momentos. Esqueça de carregar seu celular por 3 dias. Se estiver na dúvida, lembre-se do meteoro que pode atingir a Terra a qualquer momento.

Já dizia Caio F. – a vida é agora, aprende.

Fonte: http://www.casalsemvergonha.com.br/2012/06/20/o-caminho-precisa-ser-tao-empolgante-quanto-a-chegada/

Agora que já leu, desliga esse computador e vai sorrir por aí, assim como eu me disponho a fazer exatamente AGORA!

Beijos e abraços,

Anna Motzko

O horário de verão e a ECONOMIA que ele gera

HORÁRIO DE VERÃO EVITA NECESSIDADE DE INVESTIR R$ 3 BI EM TÉRMICAS

Portal G1, 17/10/2012

O secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia, Ildo Grüdtner, disse nesta quarta-feira (17) que o país vai deixar de investir cerca de R$ 3 bilhões em geração por conta horário de verão, que começa à zero hora do dia 21 de outubro e termina à zero hora de 17 de fevereiro de 2013.

De acordo com Grüdtner, esse valor teria que ser aplicado na construção de novas usinas térmicas para atender a um aumento médio no consumo de energia da ordem de 2.200 megawatts (MW) no país durante verão, no horário de pico – das 19h às 21h.

Com o horário de verão – e um maior aproveitamento da luminosidade do dia -, o governo pretende justamente reduzir em 2.200 MW o consumo em horário de pico, o que evita a construção de usinas térmicas.

Nesta época do ano, por conta da estiagem e dos níveis mais baixos dos reservatórios das hidrelétricas, o acionamento dessas térmicas se torna necessário. A geração por essas usinas, por meio da queima de carvão ou combustível, por exemplo, é mais cara do que a feita pelas hidrelétricas, que respondem pela maior parte da energia do país.

Gasto com combustível

Além do investimento que se deixa de fazer, o horário de verão também vai proporcionar economia de outros R$ 280 milhões com a compra de combustível para as usinas térmicas.

Entretanto, em função da escassez de chuvas neste início de primavera, o consumidor brasileiro pagará neste ano mais do que no ano passado por geração de energia térmica, para garantir níveis mínimos de reservatório de água para geração de energia hidrelétrica.

Em 2011 o gasto somou R$ 1,4 bilhão, sendo que quase a metade para suprir falhas no abastecimento do sistema interligado dos estados do Acre e de Rondônia.

No dia 15 de outubro, os níveis dos reservatórios estavam em 38,1% no Nordeste; 42,5% no Sudeste; 47,2% no Norte; e 39,4% no Sul. As metas estabelecidas pelo governo preveem que no dia 30 de novembro o Sudeste terá que contar com 41% de água em seus reservatórios, ou seja, apenas 1,5 ponto percentual abaixo do nível atual.

Fonte: http://g1.globo.com/economia/noticia/2012/10/horario-de-verao-evita-investimento-de-r-3-bilhoes-em-termicas.html

P.S. Eu particularmente AMO o horário de verão. Meu dia fica mais longo e mais claro 🙂 E acordar no escurinho para ir ao trabalho é gostoso também! rsrs

Anna Motzko

Um feliz dia, PROFESSOR!

Eu desejo, de todo o meu coração, um feliz dia aos corajosos e corajosas nesse mundão da educação. Parabéns, professores e professoras!

Professor é aquele que ensina, e não aquele que educa. Fica a dica!

Um mega agradecimento aos meus, que têm [ou tiveram] uma participação imensa e inexplicável na formação do meu ser.

Como me nomeou uma amiga, sou uma ‘professora não praticamente’, mas com o amor pelo ensinar dentro de mim.

Professor, todo dia é o seu dia!

Anna Motzko

 

Lecionar no Brasil – a opção dos sem-opções.

Com o dia do professor quase aí, ler uma coluna como essa é desesperador e,  mesmo tempo, confortante. Confortante por quê? Porque EU tenho essa opinião e é bom saber que não sou a única. É bom mesmo saber que outras pessoas têm consciência de que a coisa não tá andando como deveria. Desesperador? Sim, claro. Pretendo ter filhos e gostaria muito que tivessem educação de qualidade, como EU tive. Estudei em escolas públicas estaduais e me sinto ‘bem formada’. Meus professores eram exemplos a serem seguidos – com algumas exceções, como há em todos os casos. Foram eles que me levaram ao estudo durante três anos em um curso de licenciatura em Letras. Eu ainda acho que lecionar é trabalho que deve ser super mega exaltado. O que seremos em os professores? Mas, vamos combinar.. Qual é o incentivo que se tem para levar em frente salas de aula lotadérrimas, com um salário nada digno do esforço e dedicação e, além disso, ter que conciliar a tarefa ensinar + EDUCAR?

A infeliz realidade.

Assunto que dá pano pra manga. Ficamos na esperança de que ainda venham seres dispostos a enfrentar tudo isso e lutar pela classe.

ENCRENCA EDUCACIONAL, por Hélio Schwartsman

SÃO PAULO – Pesquisa da Faculdade de Educação da USP mostrou que quase metade dos alunos que ingressam nos cursos de licenciatura em física e matemática da universidade não estão dispostos a tornar-se professores. O detalhe inquietante é que licenciaturas foram criadas exatamente para formar docentes.

A dificuldade é que, se os estudantes não querem virar professores, fica difícil conseguir bons profissionais e, sem eles, o sistema de ensino brasileiro seguirá colecionando fracassos.

Embora exista muita polêmica sobre o que funciona ou não em educação, não há dúvida de que a qualidade do professor é fundamental. Trabalho de 2007 da consultoria McKinsey comparou sistemas de educação de todo o mundo e concluiu que o elemento de maior destaque nas redes de excelência era a capacidade de “escolher as melhores pessoas para se tornarem professores”.

Na Coreia do Sul, por exemplo, os futuros mestres são recrutados entre os 5% de alunos com notas mais altas no equivalente ao vestibular. Na Finlândia, os docentes são selecionados entre os “top ten”. Por aqui, segundo levantamento de 2008 da Fundação Lemann, apenas 5% dos melhores alunos do ensino médio pensam em abraçar o magistério. Ser professor no Brasil se tornou a opção dos que não têm melhores opções.

Resolver essa encrenca é o desafio. Salários são por certo uma parte importante do problema, mas outros elementos, como estabilidade na carreira e prestígio social, também influem. O tratamento quase reverencial que a sociedade coreana dispensa a seus mestres ajuda a explicar o sucesso educacional do país.

Essas considerações tornam difícil a situação do Brasil, que precisa transitar de um modelo em que os piores alunos viram docentes para um que prime pela excelência. E, como o deficit de professores já é enorme (200 mil só na área de exatas), teremos de achar um jeito de trocar o pneu com o carro em movimento.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/colunas/helioschwartsman/1168654-encrenca-educacional.shtml

Anna Motzko

O sonho da maternidade X a ética na Genética

Como a maioria sabe, sou estudante de Biomedicina e me interesso muito por questões polêmicas na área da genética e reprodução humana. Ainda não sei ao certo se seguirei por essas áreas, pois tenho muitos questionamentos interiores a respeito.

A matéria que divido com vocês hoje fala sobre um caso de SELEÇÃO DE EMBRIÕES. Basicamente, trata-se de ESCOLHER o embrião que será implantado no útero materno, a fim de que, nesse caso específico, o futuro bebê não venha a desenvolver um muito-possível câncer.

Sei que é um assunto bastante complicado de se discutir – eu mesma fico confusa para expressar uma opinião. Existe o ponto alto, criticado por muitos, que é chamar esse método de ‘manipulação da obra de Deus’. Geneticistas são acusados de ‘brincar de ser Deus’. Pois é. Lendo a matéria – e sem querer defender geneticistas e quem quer que seja – vocês poderão observar um lado vantajoso (se é que eu posso usar esse adjetivo) desse método. Eu não desejo saber qual é a dor de uma mãe que perde um filho por causa de um câncer ou qualquer outra doença genética, mas imagino que seja terrível. A opção do casal a que a notícia se refere foi, justamente, para que não tivessem mais que passar pela dor da perda.

APÓS PERDER FILHO, CASAL SELECIONA EMBRIÃO ‘SEM RISCO’ GENÉTICO DE CÂNCER

Da BBC Brasil, 09/10/2012

Um casal britânico que perdeu um filho vítima de um tipo raro de câncer no cérebro, conseguiu ter um segundo filho saudável após passar por um tratamento de seleção de embriões.

O embrião selecionado e implantado no útero da mãe não tinha um gene responsável por aumentar exponencialmente o risco de câncer no filho.

Nicky e Neil Halford, ambos com 36 anos, tiveram um filho, Ben, que morreu aos cinco anos de idade depois de lutar durante três anos contra o câncer.

Nikky é portadora de um gene que aumenta a predisposição ao câncer, um problema conhecido como síndrome de Li-Fraumeni. Ela teve câncer de mama aos 21 anos.

Até o nascimento de Ben, o casal nem mesmo sabia da existência deste gene. Antes da gravidez, eles perguntaram a médicos quais as chances de a criança ter problemas como câncer, devido ao fato de Nicky ter sofrido da doença tão jovem. A resposta foi que as chances eram pequenas.

No entanto, o menino foi diagnosticado com câncer no cérebro quando tinha quase dois anos de idade.

CULPA

Depois do diagnóstico, Nicky Halford insistiram para que os médicos fizessem exames que descobriram que ela e o filho eram portadores do gene raro.

“Eu sabia que não poderia ser uma coincidência. Me senti tão culpada, eu me culpava (pela doença de Ben)”, afirmou Nicky.

Ben passou por três cirurgias e por tratamentos de radioterapia e de quimioterapia entre os dois e os cinco anos de idade.

Entre a segunda e a terceira cirurgia, quando o menino parecia ter melhorado, Neil e Nicky perguntaram se ele gostaria de ter um irmão ou uma irmã.

Ben disse que gostaria de ter um irmão e pediu que ele se chamasse Tom.

O casal se submeteu, então, a um tratamento de fertilização in vitro no qual os embriões são analisados e selecionados, mas, com a volta do câncer de Ben, os planos foram adiados.

O menino ainda passou por uma cirurgia, apresentou uma melhora, mas o câncer voltou e se espalhou pelo cérebro, tornando uma nova cirurgia impossível.

Ben morreu em outubro de 2010.

ÚNICA CHANCE

O casal esperou por um ano para iniciar o tratamento para ter o segundo filho.

O tratamento consiste em fazer exames nos embriões, gerados por fertilização in vitro, para detectar se algum deles tem o gene que afetou Ben.

Apenas dois embriões foram considerados apropriados para serem examinados, um deles tinha o gene e outro não tinha.

Este embrião saudável foi implantado em Nicky e ela conseguiu engravidar.

“Tínhamos apenas um embrião, então, foi mesmo uma única chance. (…) Quando descobri que estava grávida, nós dois choramos”, afirmou Nicky.

O filho foi batizado de Tom, como Ben havia pedido.

“Algumas pessoas são contra (este tipo de tratamento) pois elas dizem que a ciência não pode interferir na natureza. Nós queríamos dar (ao bebê) a melhor chance possível (…)”, disse Neil Halford

“Já ouvi falar de pessoas escolhendo o sexo (de um bebê), mas esta era uma questão de vida ou morte. Não poderíamos assistir a outra criança sofrendo como Ben sofreu.”

Graças ao tratamento, Tom, que está com oito semanas de idade, tem apenas 4% de risco de desenvolver câncer, um percentual muito inferior aos 50% de risco que teria caso tivesse herdado o gene que teria causado o câncer da mãe e do irmão falecido.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/bbc/1166437-apos-perder-filho-casal-seleciona-embriao-sem-risco-genetico-de-cancer.shtml

Eu só desejo que, num futuro próximo, o sucesso de métodos como esse não se torne motivo para que o homem queira escolher a cor dos olhos, da pele e o tipo de cabelo. Que a Genética esteja aí para solucionar os problemas, e não para criar ainda mais.

Abraços,

Anna Motzko

 

E dá-lhe Marinho outra vez, São Bernardo!

E o homem ainda me desejou bom trabalho após deixar o seu voto nas urnas 🙂

COM O APOIO DE LULA, MARINHO SE REELEGE EM SÃO BERNARDO

O candidato Luiz Marinho (PT) venceu a disputa pela prefeitura da cidade de São Bernardo do Campo (SP) e foi reeleito com 65,45% dos votos válidos. Alex Manente (PPS) ficou em segundo lugar, com 31,24% dos votos válidos.

O atual prefeito petista recebeu um apoio de peso para conquistar os eleitores: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que mora na cidade, participou ativamente da campanha.

Até agora, foram apurados 89,60% das urnas. Os votos brancos somam 6,44% e os nulos, 11,33%. A abstenção está em 16,06%.

Fonte: http://noticias.terra.com.br/eleicoes/2012/noticias/0,,OI6210681-EI20626,00-SP+Luiz+Marinho+se+reelege+em+Sao+Bernardo+do+Campo.html

Espero que continue se preocupando com a minha cidade e levando-a ao topo, como fez nos últimos tempos.

Anna Motzko

22 anos da Reunificação Alemã – a festa é lá e aqui também!

A estátua do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, foi iluminada nesta quarta-feira com as cores da bandeira alemã, em homenagem ao 22º aniversário da reunificação do país europeu. Às 18h15, a tradicional iluminação branca foi trocada pelas cores vermelha, amarela e negra da bandeira alemã.

Os braços e a cabeça da estátua ficaram negras, seu tronco foi iluminado pelo vermelho e a base do Cristo ficou amarela. A iluminação da estátua é feita desde o ano passado pela multinacional alemã Osram, que altera as cores das lâmpadas LED em determinadas datas comemorativas.

A reunificação, ocorrida em 3 de outubro de 1990, concluiu o processo de reconciliação entre a República Federal da Alemanha (Alemanha) e a República Democrática Alemã (RDA), que começou um ano antes com a queda do muro de Berlim.

Fonte: http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI6200683-EI8139,00-RJ+Cristo+Redentor+e+iluminado+com+as+cores+da+bandeira+alema.html

Anna Motzko

O Massacre no Carandiru: 20 anos depois…

VINTE ANOS DEPOIS, MASSACRE NO CARANDIRU AINDA AGUARDA JULGAMENTO

Da BBC Brasil, 02 de Outubro de 2012.

A ação policial que matou 111 presos na Casa de Detenção de São Paulo em 1992 – episódio conhecido como “massacre do Carandiru” – completa 20 anos nesta terça-feira sem que nenhum de seus responsáveis tenha sido punido.

Apenas na semana passada, poucos dias antes do 20º aniversário da carnificina, a Justiça de São Paulo decidiu agir.

Foi marcado para 28 de janeiro de 2013 o julgamento de 28 dos mais de 100 policiais militares acusados por homicídios e lesões corporais no episódio.

Até então, o comandante da operação, o coronel Ubiratã Guimarães, havia sido julgado e absolvido por ter agido no “estrito cumprimento do dever”. Ele foi assassinado em seu apartamento em 2006.

Contudo, a Justiça não autorizou a realização de exames de balística nas mais de 390 armas usadas pelos policiais no caso para serem usados como prova no julgamento, segundo a advogada Ieda Ribeiro de Souza, defensora de 79 policiais acusados.

Isso dificultará o trabalho da promotoria para ligar os assassinatos a policiais específicos. O juiz do caso entendeu que a realização dos exames não seria possível por questões técnicas.

O aniversário do massacre será lembrado em um ato ecumênico organizado por entidades de defesa dos direitos humanos às 15h desta terça-feira em frente à catedral da Sé, no centro de São Paulo.

A Casa de Detenção de São Paulo foi implodida em 2002, dando lugar a um parque público.

Parque da Juventude 🙂

Banho de sangue

O massacre do Carandiru começou na tarde de 2 de outubro de 1992, quando dois detentos provocaram uma briga no pavilhão 9 da Casa de Detenção de São Paulo.

O maior massacre já ocorrido no sistema penitenciário brasileiro

O desentendimento rapidamente se transformou em tumulto e depois rebelião.

Temendo que o motim se alastrasse para o resto do complexo, o diretor do presídio, José Ismael Pedrosa, pediu ajuda da Polícia Militar e o local foi cercado por uma tropa de choque.

No fim da tarde, Guimarães foi autorizado a invadir o local e liderou uma tropa de policiais que usou munição letal, facas, cães e bombas para conter a rebelião.

“Não pensamos que iam entrar e matar todo mundo, até porque nem todos os presos tinham aderido à rebelião”, disse à BBC Brasil o pastor evangélico Jacy de Oliveira, de 47 anos, que, na época, cumpria pena no Carandiru por roubo a uma mansão.

“Os policiais começaram a matar todos que estavam pela frente. Atiravam nas pessoas e depois as jogavam no poço do elevador. Muitos também morreram atacados por cachorros. Os cães foram soltos na barbearia, para onde estavam sendo levados os feridos”, afirmou.

Oliveira afirmou que os policiais fizeram uma espécie de corredor humano para retirar os detentos dos cinco andares do edifício.

“Eu estava no quinto andar. As pessoas passavam entre os policiais. Quem olhava para eles era morto. Os presos tinham espalhado óleo nas escadas. Quem escorregava e caía durante a descida também era assassinado”, afirmou o ex-detento.

Oliveira, que há 15 anos se tornou pastor, atribui o fato de ter sido espancado, porém não assassinado, a um milagre. “Deus não queria que eu morresse porque sabia que eu me entregaria a ele”, disse.

Ele afirmou que, à época, cumpria uma sentença injusta e até hoje aguarda indenização do Estado.

Defesa

Souza, a advogada dos policiais, afirma que alguns deles admitem ter disparado munição real contra os presos. Contudo, sua defesa deve se basear no fato de que eles cumpriam ordens ao invadir o presídio – agindo assim de forma supostamente legítima.

Também servirá de argumento para a defesa a não realização da perícia nas armas dos policiais – o que em tese impede que a Justiça ligue tecnicamente cada assassinato a seu autor.

“Devo pedir a absolvição deles por falta de provas”, afirmou a advogada.

Ela disse ter sido favorável à realização dos exames de balística e afirmou que as ações da defesa não contribuíram para a lentidão do processo.

O padre Valdir João Silveira, coordenador nacional da Pastoral Carcerária, afirmou estar indignado com a não realização da perícia e a demora para a marcação do julgamento.

“Isso é resultado da falta de interesse do Estado e do Judiciário”, afirmou.

Silveira disse esperar que o julgamento resulte no afastamento dos cargos públicos dos envolvidos no massacre e facilite o pagamento de indenizações para as famílias das vítimas.

“Mandar todos eles para a cadeia não resolveria o problema”, disse.

O caso será julgado no Tribunal do Júri e, mesmo em caso de eventual condenação, a defesa dos policiais pode recorrer.

Para o religioso, o aniversário do massacre também servirá para uma reflexão sobre o problema da superlotação do sistema prisional brasileiro. Atualmente, o país tem mais de 500 mil presos – a quarta maior população carcerária do mundo – e um deficit de quase 200 mil vagas.

Fonte: http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2012/10/121001_massacre_aniversario_lk.shtml

Anna Motzko

FELIZ DIA DA SECRETÁRIA!

30 de Setembro, DIA DA SECRETÁRIA!

Parabéns a todas [e todos também, né?]! Só nós sabemos o quanto nosso trabalho é fundamental para o andamento de nosso local de trabalho. Só nós sabemos o quanto a organização, a presteza, a lealdade e milhares de outras coisas são importantes!

Que todas sejam valorizadas e homenageadas nesse dia!

Abraços,

Anna Motzko