Da série “Me pegou de surpresa e me fez chorar”: O PEDIDO DE CASAMENTO!

Esse post não tem a finalidade de acrescentar conteúdo à vida de ninguém, mas sim de dividir um sentimento tão bom e tão bonito que mal cabe no meu coraçãozinho 🙂

Yes! Depois de quase nove anos de namoro, euzinha aqui ALVO de uma surpresa linda!

Quarta-feira, cinco de fevereiro de 2014, colação de grau do curso de Engenharia. O namorado está oficialmente FORMADO!

Após três horas e meia de cerimônia, com o coração cheio de orgulho daquele homem de beca e todo sorridente, eis que ele me prega uma peça. Hahahahaha! É engraçado definir assim, mas foi assim mesmo.

Claro que fui a última a saber, né? E só soube mesmo quando vi que alguém me filmava enquanto eu lia uma inocente mensagem que havia dentro do canudo do diploma do namorado…!

Sim, mulheres deste Brasil! Ainda existem homens criativos e apaixonados nesse mundo – e, sinto dizer, um deles é MEEEEEU!

Com direito a joelho no chão e caixinha de aliança aberta [aquela típica cena de filme ou novela, que nos faz suspirar e tudo mais, e que nunca pensamos que, um dia, pode acontecer com a gente!]. Fui pedida em casamento no maior estilo e da maneira mais tradicional. “Quer casar comigo?”, ele disse. E eu simplesmente afirmei com a cabeça, pois o rio de lágrimas e a tremedeira não me permitiram mais que isso.

E o que quero dizer, afinal?

Quero dizer que sou uma mulher realizada e feliz. Que quero namorar pra sempre com esse homem maravilhoso. Que, apesar de eu não facilitar as coisas, ele me surpreendeu.

E que o amor verdadeiro existe.

Por favor, mundo! Não desista de amar.

Mas ame com todo o seu coração, com tudo o que você tem de bom e de melhor. Ame não só o homem da sua vida, mas ame a sua família, ame seu cachorro, seus amigos [os que moram ao seu lado e os que estão láaaaa longe!], ame seu trabalho, seus estudos, sua paz.

Agradeço a todos os queridos que fizeram parte dessa surpresa linda pra mim. Ainda me emociono quando lembro de cada uma das cenas.. rsrs

Amor, EU TE AMO! Ser sua noiva é simplesmente tudo o que eu queria!

Beijos,

Anna Motzko

Anúncios

um feliz dia aos namorados <3

E esse será o meu nono dia dos namorados.

“Meu Deeeus! Mas já tá na hora de casar!!!”

“Nossa! Esse aí tá te enrolando, hein?”

Mas, e daí? Só quem namora há tanto tempo sabe a dor e a delícia que é. E é tão bom, mas tão bom, que dá até um medinho de deixar isso de lado.

O casamento eu não sei como é.

O namoro, sim. É bom. É muito bom…

Eu aprendi a escutar mais. Porque a minha opinião deixou de ser a única e exclusivamente válida.

Eu descobri que ter um namorado é muito mais do que ter companhia pro cinema todo fim de semana e alguém que pague seus jantares.

Eu compreendi que a vida à dois não é cem por cento flores e nem sempre acaba bem no final do capítulo, como nas novelas. Mas que, pra ser assim, depende dele e de mim.

Eu cresci.

Cresci e aprendi a ser muitas outras além de mim.

Antes, Carol.

Agora, Carol namorada, mulher, amante, professora, aluna, mãe.

A que chora, que bate, que manda, que reclama. A que escuta, a que abraça, beija, carrega no colo.

O amor que surge a partir do namoro é um sentimento tão-simples-tão-complexo… Tão bom, tão viciante, tão perfeito!

O amor que construímos, tijolo a tijolo, às vezes mal colocados, às vezes firmes até demais, é digno de ser louvado e agradecido dia após dia.

O dia em que o olhei pela primeira vez está aqui, nitidamente estampado na memória. Assim como aquele primeiro dia dos namorados, em que tudo o que eu pretendia era comemorar ‘o dia dos ficantes’ ao lado dele.

Aquele ‘quer namorar comigo?’ todo tenso, todo tremido, e tudo o que vem acontecendo até hoje, É CULPA DELE!!! E eu vou jogar essa culpa na cara durante a VIDA INTEEEEIRA!!!

Que o meu melhor namorado e melhor amigo, que certamente será um dos primeiros a ler isso tudo, saiba que ele foi a melhor coisa que já me aconteceu e que me acontece a cada abrir de olhos. Que ele saiba também que meu coração já não é mais capaz de bater sem o dele marcando o compasso.

Eu te amo, meu amor, meu lindo, meu pretinho!

E que todos os dias das nossas vidas sejam eternos dias dos namorados!

Anna Motzko

sobre as pequenas-grandes coisas.

sinto-me bem acompanhada mesmo quando estou sozinha – sinto, então, que encontrei aquilo que precisava e não me dava conta: o amor próprio.

porque já não havia sentido em só ver sentido na vida quando estava rodeada pela multidão. a festa acaba, o filme acaba, e… onde estou? quem sou? o que faço agora?

cheguei sozinha ao mundão e sozinha me despedirei dele, um dia.

sendo assim, não tenho obrigação de ser a minha melhor companhia?

me encontrei comigo. me encontrei com meus pensamentos, meus planos, meus desejos.

agora sou outra.

sinto-me bem em escolher o canal que mais gosto. sinto-me bem em saber das minhas obrigações e ir atrás de concretizá-las, sem esperar que alguém me acompanhe ou as resolva em meu lugar.

sinto-me bem e completa.

já não sinto culpa por um domingo ensolarado dentro de casa. porque tenho a mim, acima de tudo.

e porque sei que, mesmo sozinha, guardo dentro de mim o que importa e tenho sempre quem guarde por mim.

Anna Motzko

Um feliz dia de São Valentim a nós!

Hoje, 14 de fevereiro, é comemorado o dia de São Valentim – nos Estados Unidos e em um montão de outros países longe daqui. É o famoso Valentine’s Day! Adoro datas que nos levam a lembrar dos amigos e das pessoas amadas, e essa é uma delas. Capitalismo ou não, vale a pena um agradinho àquela amado ou amada – amigos estão totalmente incluídos, e não só os namorados e afins.

Fiquem, então, com um pouquinho da história de São Valentim e do porquê da data 😉

ImageA história do Dia de São Valentim remonta a um obscuro dia de jejum tido em homenagem a São Valentim. A associação com o amor romântico chega depois do final da Idade Média, durante o qual o conceito de amor romântico foi formulado.

O bispo Valentim lutou contra as ordens do imperador Cláudio II, que havia proibido o casamento durante as guerras acreditando que os solteiros eram melhores combatentes.

Além de continuar celebrando casamentos, ele se casou secretamente, apesar da proibição do imperador. A prática foi descoberta e Valentim foi preso e condenado à morte. Enquanto estava preso, muitos jovens lhe enviavam flores e bilhetes dizendo que ainda acreditavam no amor. Enquanto aguardava na prisão o cumprimento da sua sentença, ele se apaixonou pela filha cega de um carcereiro e, milagrosamente, devolveu-lhe a visão. Antes da execução, Valentim escreveu uma mensagem de adeus para ela, na qual assinava como “Seu Namorado” ou “De seu Valentim”.

Considerado mártir pela Igreja Católica, a data de sua morte – 14 de fevereiro – também marca a véspera de lupercais, festas anuais celebradas na Roma antiga em honra de Juno (deusa da mulher e do matrimônio) e de Pan (deus da natureza). Um dos rituais desse festival era a passeata da fertilidade, em que os sacerdotes caminhavam pela cidade batendo em todas as mulheres com correias de couro de cabra para assegurar a fecundidade.

Outra versão diz que no século XVII, ingleses e franceses passaram a celebrar o Dia de São Valentim como a união do Dia dos Namorados. A data foi adotada um século depois nos Estados Unidos, tornando-se o The Valentine’s Day. E na Idade Média, dizia-se que o dia 14 de fevereiro era o primeiro dia de acasalamento dos pássaros. Por isso, os namorados da Idade Média usavam esta ocasião para deixar mensagens de amor na soleira da porta do(a) amado(a).

Atualmente, o dia é principalmente associado à troca mútua de recados de amor em forma de objetos simbólicos. Símbolos modernos incluem a silhueta de um coração e a figura de um Cupido com asas. Iniciada no século XIX, a prática de recados manuscritos deu lugar à troca de cartões de felicitação produzidos em massa. Estima-se que, mundo fora, aproximadamente mil milhões (Portugal) (um bilhão no Brasil) de cartões com mensagens românticas são enviados a cada ano, tornando esse dia um dos mais lucrativos do ano. Também se estima que as mulheres comprem aproximadamente 85% de todos os presentes no Brasil.

O dia de São Valentim era até há algumas décadas uma festa comemorada principalmente em países anglo-saxões, mas ao longo do século XX o hábito estendeu-se a muitos outros países.

Fonte: http://www.history.com/topics/valentines-day

A todos os amigos e amigas – e, principalmente, ao meu querido namorado, um feliz e abençoado dia de São Valentim. Não importa o fato de estarmos no Brasil, não. É de coração!

Beijos, abraços e flechinhas de cupido,

Anna Motzko