Sociopatas – por aqui e por aí!

Texto interessantíssimo de Lorena Robinson, disponível em Literatortura.

Ficam dicas de boas leituras e filmes pra quem, como eu, curte coisas muito loucas 😉

OS 10 MAIS PERTURBADORES SOCIOPATAS DA LITERATURA

Segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais – que, como o próprio nome sugere, é um manual para profissionais da área de saúde mental, o qual lista transtornos e critérios para diagnosticar os mesmos – a “sociopatia” é um termo vulgarmente conhecido para Transtorno de Personalidade Antissocial.

O Transtorno é definido como um padrão pervasivo de desprezo e violação dos direitos do próximo, acompanhado de desdém e inconformidade perante às normas sociais estabelecidas. É marcado pela impulsividade, agressividade, extrema imprudência em relação à segurança, dissociabilidade familiar e uma ausência de remorso caracterizada por “indiferença ou racionalização ao ter manipulado, ferido, maltratado ou roubado outra pessoa”. Um sociopata é indiferente aos sentimentos dos outros e não constrói quaisquer laços afetivos, sendo muitas vezes incapaz de chegar a conviver com animais domésticos (e muito menos ter apreço pelo sentimento destes).

Embora despertem notável curiosidade, nós provavelmente não iríamos querer conhecê-los pessoalmente, trabalhar com eles ou até mesmo namorá-los. O problema é que, segundo as estatísticas, talvez o façamos. A psicóloga Martha Stout – instrutora clínica em psiquiatria na Harvard Medical School há 25 anos – estima em seu livro “The Sociopath Next Door” (Meu Vizinho é um Psicopata, no Brasil) que 4% da população é composta por sociopatas inconscientes, que não possuem empatia ou sentimentos afetivos por humanos ou por animais.

4% pode não parecer muito. Mas, usando os Estados Unidos como exemplo, significa que 12 milhões de americanos são sociopatas. Porque os sociopatas são implacáveis e impiedosos com seus rivais, capazes de qualquer coisa para alcançar seus objetivos – e, ao mesmo tempo, são ótimos em fingir se importarem com as pessoas – eles podem ser incrivelmente destrutivos. Eles seriam rapidamente descobertos em pequenos grupos, mas em uma sociedade tão grande quanto a nossa eles podem chegar a alcançar posições de muito poder e influência.

É possível que muitos de nós já estivéssemos familiarizados com as características e definições de um sociopata, principalmente por conta das constantes abordagens e aparições na literatura e no cinema. Por serem livres da culpa, das consequências emocionais e dos dilemas morais que assolam as outras pessoas, é no mínimo instigante conhecer e analisar personalidades sociopatas (de uma distância segura).

Vamos conhecer agora alguns dos inesquecíveis sociopatas da literatura:

10. Becky Sharp — Vaidade e Beleza, de William Makepeace Thackeray

Habilidades: Bilíngue (Francês e Inglês), possui uma voz encantadora, é uma talentosa atriz e pianista, além de graciosa e charmosa.

Becky é o que podemos nos referir como uma “batalhadora nata”. Uma órfã cujo objetivo é ascender socialmente, independente do que for preciso. Becky seduz maridos alheios, engana credores, ajuda seu próprio marido a trapacear nos jogos, e provavelmente chegou a matar alguém só pelo dinheiro do seguro de vida. Ela é incapaz de criar laços ou mostrar afeição sincera para qualquer um, nem mesmo ao seu próprio filho (ao qual ela negligencia e desdenha) e marido (ao qual abandona em detenção para que ela possa dormir com outros homens a fim de ganhar notoriedade social). Tudo isso sem um vislumbre sequer de culpa.

Citação: Lady Jane descreve Becky como “uma mulher perversa – uma mãe insensível, uma esposa falsa. Ela não teve uma família, mas se esforçou para trazer consigo a miséria e enfraquecer as mais sagradas afeições com todas as suas bajulações e mentiras… sua alma é negra com a vaidade, o mundanismo e toda a sorte de crimes. Eu estremeço quando a toco. Eu mantenho meus filhos longe de sua vista.”

9. Anton Chigurh — Onde Os Fracos Não Têm Vez, de Cormac McCarthy

Habilidades: Implacável, inflexível e quase, quase indestrutível. Capaz de resistir a ossos quebrados e diversas injúrias físicas que abateriam qualquer um.

Esse assassino a sangue-frio obtém imenso prazer em matar pessoas (principalmente perfurando seus crânios com uma furadeira). Chigurh vingava-se impiedosamente, tirando vidas sem qualquer remorso e, algumas vezes, chegando a determinar se deve ou não matar alguém através de um simples cara-ou-coroa.

8. Tom Ripley — série The Ripliad, de Patricia Highsmith

Habilidades: Seus hobbies incluem forja, jardinagem, arte e, é claro, a criação de métodos inovadores de assassinato.

Se Becky Sharp de Vaidade e Beleza tivesse um perfil no “Match.com” ou “E-harmony”s da vida, provavelmente combinaria com o de Tom Ripley. Como Becky, Tom é um órfão que tem como maior aspiração ascender socialmente, integrar-se na elite da sociedade. Não contente em ser um vigarista na cidade de Nova York, Tom encontra um moço rico, mata-o com um remo e assume sua identidade. No curso dos cinco romances, Tom – descrito por Highsmith como “cortês, bem disposto e completamente amoral” – aproveita a “boa vida” usando o dinheiro do falecido e, insensivelmente, assassina qualquer um que ouse começar a suspeitar de sua fraude.

7. Hannibal Lecter —Dragão Vermelho e outros, de Thomas Harris

Habilidades: Psiquiatra licenciado e renomado, extremamente charmoso, epicurista, bibliófilo (tomem cuidado) e amante da música. Se você não soubesse de seu canibalismo e de seus assassinatos em série, ficaria tentado a convidá-lo para um jantar ou para uma reunião entre amigos. (Só não sirva Chianti).

Outro órfão! Lecter assistiu sua irmã ser vítima de canibalismo quando tinha apenas 8 anos de idade. Por conta disso, começa a matar todos os homens que tiveram um papel na morte dela – mas não para por aí. Acaba por tornar-se um prolífico assassino em série e um canibal sedento de sangue, mais tarde chegando a escapar da prisão ao cortar o rosto de um guarda vigilante e usar sua pele como máscara.

Em outro momento, declara: “Certa vez um recenseador tentou me testar. Comi o fígado dele com favas e um bom vinho.”

Nota-se que Lecter não é um dos mais sutis.

6. Frank — The Wasp Factory, de Iain Banks

Habilidade: Ele é escocês, então provavelmente possui um sotaque encantado, mas exceto isso não possui muitas qualidades redentoras.

Nós conhecemos Frank com seus 16 anos, para descobrir que nessa idade ele já esteve ocupadíssimo matando três crianças – quando tinha apenas 10 anos de idade – o que explica como sendo “somente uma fase”. Ele cria um aparelho que força vespas a escolherem o método através do qual se darão suas respectivas mortes (morrerão queimadas? Afogadas em urina? Fatiadas? Comidas por uma aranha? Tantas opções!) e ritualisticamente mata animais de grande porte para colocar suas cabeças em “mastros de sacrifício” ao redor da ilha onde mora. E, apesar disso, seu pai e seu irmão fazem com que ele pareça a personificação da santidade, digno de uma canonização.

Citação: “É claro que eu estava fora de casa para matar coisas. De que outra forma eu poderia conseguir cabeças e corpos para os Mastros e para o Paiol, se não matasse nada? Não há mortes naturais suficientes. E ainda assim, é impossível fazer com que as pessoas entendam isso.”

5. Iago — Otelo, de William Shakespeare

Habilidades: Mentiroso consumado, mestre em manipulação e instigantemente maquiavélico.

Como assessor “honesto” e “confiável” de Otelo, Iago podia até ter sido um competidor para o “Funcionário do Mês” – até que foi rejeitado para uma promoção. Ele planeja derrubar Cássio (que pegou sua promoção), convence seu chefe de uma suposta infidelidade de sua esposa e planeja destruir Otelo sem ser percebido. Tudo isso antes de matar seu aliado e convencer Otelo a matar a própria esposa. Um estudioso de Shakespare afirmou que “a maldade em nenhum outro lugar foi antes representada com tanta maestria como no personagem de Iago.”

 

4. Cathy Ames (ou Kate Amesbury) — A Leste do Éden, de John Steinbeck

Habilidades: Especialista em desejos sexuais depravados e talentosa em imitar emoções verdadeiras.

Finalmente, um sociopata em nossa lista com pais atenciosos e carinhosos! Claro, isso até ela matá-los ateando fogo na casa em que estavam. Cathy acredita que todas as pessoas são tão más quanto ela (e esperamos que ela esteja errada). Enquanto jovem, leva um de seus professores a cometer suicídio, seduz um homem casado e incrimina dois jovens garotos por estupro. Passa sua vida manipulando homens em benefício próprio, chegando a casar com um homem no qual atira a sangue frio após tentar, sem sucesso, abortar seus gêmeos com uma agulha de costura. Quando questionada sobre a pretensão de matar o próprio marido, responde: “Se eu quisesse matá-lo, ele não estaria agora vivo. Pode perguntar aos meus pais.” Ela abandona sua família, muda o nome para Kate Amesbury e vai trabalhar em um bordel no qual faz amizade com a dona do estabelecimento a fim de angariar sua simpatia – e então começa a, vagarosamente, envenená-la até a morte. Ela transforma o bordel em um covil de depravação cujo foco são os mais obscuros desejos sexuais, e coleciona material de seus clientes para usar em posteriores chantagens. Quando um de seus filhos descobre que sua mãe, na verdade, não está morta, e sim comandando um bordel deste porte, comete suicídio. Cathy/Kate permanece na total indiferença.

3. Alex — Laranja Mecânica, de Anthony Burgess

Habilidades: Possui um enorme senso de liderança e um talento para gírias bizarras.

Alex e seus “drugues” eram tão “hardcore” que referir-se aos seus atos como violentos seria um eufemismo. Suas noites de ultra-violência incluíam assalto, estupros, espancamento de moradores de rua, roubos, brigas violentíssimas, entre outros.Quando parava de drogar e estuprar menininhas de 10 anos de idade e de assassinar as mulheres mais velhas, Alex passava os dias descansando em seu apartamento, fantasiando sobre mais violências enquanto relaxava ao som de música clássica. Nem a cadeia foi o suficiente para reformá-lo. Acaba espancando até a morte um colega de cela ao qual achava desagradável e isso faz com que, então, seja convidado a participar de uma técnica experimental para controlar seus impulsos obscuros a fim de inserí-lo na sociedade sem posteriores danos. A partir de então inicia-se a sua conhecida e aclamada (sobretudo bizarra) trajetória, que levanta profundas reflexões a respeito da natureza humana e da vida em sociedade.

2. Kevin — Precisamos Falar Sobre o Kevin, de Lionel Shriver

Habilidades: Exímio arqueiro.

Descrito como portador de “uma apatia tão absoluta que é quase como um buraco no qual você pode perder-se dentro”, Kevin mostrou-se frio e insolente assim que saiu do ventre de sua mãe. Suas maiores maldades e seu maior desprezo são reservados especialmente a ela – e acaba tendo outro filho apenas para se sentir conectada com algum membro de sua família –, embora as tendências malignas de Kevin não se estendam somente a genitora. Dentre outros atos perversos, Kevin mata o hamster de estimação de sua irmã e é suspeito de cegá-la com um desinfetante. Apesar de todos esses “pormenores” (nos quais a perversidade passa despercebida aos olhos de outras pessoas além de sua mãe, Eva), seu pai decide que seria ótimo ensiná-lo a tornar-se um exímio arqueiro – um hobby bastante adequado a um jovem psicopata, por sinal. Evitando estragar uma instigante experiência com o livro ou com o filme, não serão ditos spoilers. Basta dizer que é um tanto óbvio que as coisas terminem de uma maneira não muito boa.

 

1. Patrick Bateman — Psicopata Americano, de Bret Easton Ellis

Habilidades: Um estiloso e bem-sucedido bancário, com um extenso conhecimento de músicas dos anos 80.

Entre comparar cartões de visita e tomar coquetéis com outros investidores bancários, Patrick se ocupa com insensíveis assassinatos e sessões intensas de tortura. Após matar um colega de trabalho, perde o controle de seus impulsos violentos e passa a praticar necrofilia, canibalismo (chega a fazer bolo de carne com uma moça), mutilação e horripilantes assassinatos envolvendo motosserras, furadeiras e até mesmo ratos. O charme de Bateman, seu completo desapego a tudo e a sua ausência absoluta de emoção ou remorso faz com que ele seja o mais perturbador sociopata de nossa lista.

Para os escritores e cineastas, é interessante criar personagens sociopatas porque eles são, sobretudo, imprevisíveis. Eles fazem o que querem, quando querem, sem qualquer remorso. Os sociopatas criam polêmicas e reviravoltas que prendem o leitor; este acaba ficando imerso e chocado, ao mesmo tempo, com o particular universo desregrado dessas figuras.

O interessante é que muitos desses personagens (senão todos) fazem com que o seu Transtorno passe despercebido por todos a sua volta. Minimamente alarmante, não?

Disponível em http://literatortura.com/2013/07/os-10-mais-perturbadores-sociopatas-da-literatura/

Comentários de O mundo girando: Parabéns, Lorena, pelo ótimo texto. Seu trabalho de pesquisa ficou maravilhoso e, por isso, fiz questão de compartilhar em meu blog. Já que estamos rodeados por esses ‘seres’ [rs], não custa nada saber um pouquinho mais sobre como identificá-los, não é mesmo? Hahahaha!

Abraços,

Anna Motzko

Anúncios

amor por Vinícius.

pra começar bem essa sexta-feira linda, nada melhor que um poema do amado Vinícius de Moraes…

NAMORADOS NO MIRANTE

Eles eram mais antigos que o silêncio
A perscrutar-se intimamente os sonhos
Tal como duas súbitas estátuas
Em que apenas o olhar restasse humano.
Qualquer toque, por certo, desfaria
Os seus corpos sem tempo em pura cinza.
Remontavam às origens – a realidade
Neles se fez, de substância, imagem.
Dela a face era fria, a que o desejo
Como um hictus, houvesse adormecido
Dele apenas restava o eterno grito
Da espécie – tudo mais tinha morrido.
Caíam lentamente na voragem
Como duas estrelas que gravitam
Juntas para, depois, num grande abraço
Rolarem pelo espaço e se perderem
Transformadas no magma incandescente
Que milênios mais tarde explode em amor
E da matéria reproduz o tempo
Nas galáxias da vida no infinito.

Eles eram mais antigos que o silêncio…

vinicius-de-moraes

Anna Motzko

‘1984’ outra vez!

Vendas de ‘1984’ crescem quase 7.000% após escândalo de monitoramento nos Estados Unidos

De Folha Ilustrada, 11/06/2013

As vendas de “1984”, de George Orwell, aumentaram quase 7.000% em apenas um dia na Amazon, a maior varejista on-line de livros do mundo.

A obra.

A obra.

O aumento se segue à revelação, feita na última quinta (6) pelos jornais “The Guardian” e “Washington Post”, do gigantesco esquema de monitoramento de dados de telefone e internet realizado ilegalmente pelos serviços de inteligência dos Estados Unidos –tratado por analistas como uma versão real do Big Brother, o Grande Irmão que tudo vê do livro de Orwell.

Na seção “movers & shakers” do site, que dá a lista dos títulos que tiveram o maior aumento de vendas nas últimas 24 horas, o livro está em quarto lugar, com alta de 6.888%. A obra, cuja primeira edição foi publicada em 8 de junho de 1949, saltou da 12.859ª posição para a 184ª no ranking de mais vendidos do site.

Uma outra edição, de 2003, que reúne as duas obras mais famosas de Orwell (“1984” e “A Revolução dos Bichos”) também entrou para o ranking, na 11ª posição, com alta de 290% nas vendas.

Em “1984”, Orwell (1903-1950) cria um futuro distópico em que a sociedade é permanentemente vigiada e controlada pela figura do Grande Irmão.

Cena do filme '1984' - o Grande Irmão.

Cena do filme ‘1984’ – o Grande Irmão.

Na ficção, a vida de cada pessoa é filmada 24 horas por dia, para monitoramento de qualquer ação que possa significar risco ao governo totalitário.

No real e atual esquema para vigiar a vida alheia, o serviço de inteligência do governo americano tem acesso aos servidores das grandes empresas de tecnologia, como Google e Facebook.

Há seis anos, agências de segurança e espionagem dos EUA vasculham mensagens eletrônicas, conversas na rede, arquivos, videoconferências, conexões a computadores de civis –incluindo estrangeiros que não moram no país– além de rastrearem as ligações telefônicas internas.

O esquema foi revelado no último dia 6, em reportagens publicadas nos jornais “Washington Post” e “Guardian”. Após a revelação, o presidente americano, Barack Obama, admitiu e defendeu o monitoramento de dados e telefonemas. A justificativa é o combate ao terrorismo.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2013/06/1293139-vendas-de-1984-crescem-quase-7000-apos-escandalo-de-monitoramento-nos-eua.shtml

Comentários: Em primeiro lugar, ler George Orwell vicia. Tenha cuidado! Em segundo, a leitura de ‘1984’ é mais que obrigatória, para que faça seus próprios apontamentos e tire suas próprias conclusões. A minha opinião é de que o ‘futuro’ que estamos vivendo já era previsto. A tendência é essa – falta de liberdade em todos os sentidos possíveis. Direta e indiretamente, tem sempre algo ou alguém cuidando da nossa vida e visando nossos passos. Controlando nossas decisões e influenciando todas elas.

Quadrinhos retratando trecho do livro nos dias atuais.

Quadrinhos retratando trecho do livro nos dias atuais.

O filme completo encontra-se disponível no YouTube.

Abraços,

Anna Motzko

um poema.

CONVITE

Não sou a areia
onde se desenha um par de asas
ou grades diante de uma janela.
Não sou apenas a pedra que rola
nas marés do mundo,
em cada praia renascendo outra.
Sou a orelha encostada na concha
da vida, sou construção e desmoronamento,
servo e senhor, e sou
mistério

A quatro mãos escrevemos este roteiro
para o palco de meu tempo:
o meu destino e eu.
Nem sempre estamos afinados,
nem sempre nos levamos
a sério.

[Lya Luft]

Uma semana intensamente linda!

Anna Motzko